domingo, 30 de março de 2014

SALMO 23

O Senhor é meu pastor,nada me faltará.
Deitar-me faz em verdes campos.
Guia-me mansamente em águas tranquilas.
Refrigera minha alma.
Guia-me pelas veredas da justiça
por amor ao seu nome.
Ainda que eu andasse pelo vale
da sombra da morte,não temeria
mal algum,por que Tu estás comigo.
A tua vara e o teu cajado me consolam.
Preparas uma mesa perante mim
na presença dos meus inimigos,
unge a minha cabeça com óleo,
o meu cálice tranborda.
Certamente que a bondade
e a misericórdia me seguirão
pelos dias da minha vida.
E abrigarei na casa
do Senhor por longos dias.


Amém!

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Sem a ideia da reencarnação, sinceramente, com todo respeito às demais religiões, eu não vejo uma explicação sensata, inclusive, para a existência de Deus.”
És um espírito eterno envergando temporária forma física, à maneira de um servidor vestindo uniforme de trabalho, francamente deteriorável e passageiro.

Observa os próprios hábitos e tendências e perceberás o que foste nas existências passadas.

Analisa os que te rodeiam, no círculo doméstico-social e identificarás com quem te comprometeste para sanar os próprios débitos ou traçar a própria senda de elevação.
Estás hoje no lugar e na posição em que podes claramente doar à vida, na pessoa dos outros, tudo aquilo que és capaz de sentir, pensar, falar ou fazer de melhor.

  Emmanuel

domingo, 24 de novembro de 2013

...Nosso Lar...


Quando morremos não temos “Chefes”. Você é livre, totalmente livre. O Nosso Lar é apenas uma das inúmeras colônias que existem do outro lado da vida. Essa colônia é formada por um grupo de espíritos que resolveram formar uma comunidade para ajudar pessoas desencarnadas que se encontram desorientadas em regiões do Umbral. Como toda organização social é necessário a existência de ordem, hierarquia, diciplina, regras para que tudo funcione de forma organizada, para que todos possam compactar com os mesmo objetivos do grupo. Por isto, para viver em Nosso Lar, para receber a ajuda e o auxílio que os habitantes de Nosso Lar tem a oferecer é necessário seguir as orientações do que você chamou de Chefes que na verdade são espíritos superiores, que nem precisavam estar fazendo este trabalho em esferas inferiores, mas que dedicam sua existência para ajudar o próximo, mesmo que do outro lado da vida.

No filme Nosso Lar você deve ter visto a história da menina que resolveu sair do Nosso Lar e retornar para o Umbral. Isto mostra apenas que todos são livres para ficar ou para sair. Ninguém está no Nosso Lar obrigado. No filme só é mostrado uma das regiões do Umbral que é o Vale dos Suicidas. Mas existem inúmeras colônias, cidades, agrupamentos de pessoas vivendo no Umbral. Muitas destas regiões são organizadas com grandes cidades semelhantes a toda grande cidade que existe na Terra. Como no plano espiritual as pessoas se agrupam por afinidade a maioria dos grupos que se formam no Umbral são de pessoas que tem simpatia mútua, que tem os mesmos gostos, os mesmos prazeres, os mesmos problemas. E estes agrupamentos ocorrem naturalmente, nada mais natural do que procurar pessoas parecidas com você para se juntar. E sempre que vivemos em uma comunidade é necessário a presença de uma liderança, ou dos chefes que você relata em sua dúvida. Estas cidades, vilas, colônias, tribos, sempre possuem seus líderes.

Você relata as imagens que mostram pessoas sendo torturadas no Umbral por outras. É fácil de compreender. Imagine escravo ou muitos escravos de uma fazenda que foram mortos sobre tortura e chicotadas em um tronco. Se estas pessoas não perdoarem como Jesus nos ensinou (perdoar nossos inimigos) elas vão alimentar um sentimento de ódio e principalmente de vingança. Quando o responsável por suas dores em vida acaba passando para o outro lado acaba sendo vítima de suas vítimas. Movido pela vingança o espírito destes escravos podem tentar proporcionar a mesma dor que sofreram na terra para o senhor do engenho que agora se encontra do outro lado.

Somente o perdão e o arrependimento pode destruir este circulo vicioso de violência. Quem sofre precisa perdoar quem o fez sofrer. E quem fez alguém sofrer precisa se arrepender. Sem perdão e sem arrependimento só existe mesmo o sofrimento e a dor, mesmo quando estamos do outro lado da vida.

PESSOAS ESPIRITUALISTAS...

 As pessoas espiritualistas estão no mundo, mas não pertencem a ele. Externamente são pessoas comuns, internamente são discípulos da luz espiritual.
Têm uma missão singular na existência: Viver e espalhar o conhecimento espiritual na Terra.
Possuem as mesmas qualidades e os mesmos defeitos da maioria dos homens.
No entanto, possuem uma condição especial que a maioria da humanidade ainda não tem: a sensibilidade de perceber vibrações espirituais.
São pessoas comuns, como todas, mas têm um trabalho especial a fazer; Podem padecer de enfermidades e também enfrentam problemas pessoais, como pessoas comuns; Contudo, há seres de luz vibrando energias sutis por elas e sustentando-as continuamente, mesmo quando tudo parece perdido.
Canalizam o amor que vem do mais Alto e, por isso, quando falam, elevam o pensamento de quem as ouve com atenção. Elevam o sentimento de quem às percebe interiormente.
Elevam o padrão energético do ambiente em que se manifestam.
São portadores da luz e, portanto, condutores de almas para o Bem Maior. Porém, como acontece a todos os seres humanos, também são açoitados por pensamentos negativos, sentimentos discordantes e energias perniciosas. Além disso, podem ser assediadas por rajadas energéticas das trevas ou pelas pedradas da incompreensão dos outros
a respeito do trabalho espiritual que abraçaram. Não lhes falece, porém, o auxílio do Alto, que a todo instante lhes remete energias superiores e inspirações beneficentes.
Por isso, os mentores espirituais sempre aconselham aos trabalhadores espiritualistas: discernimento, modéstia e compaixão. Não só no trabalho espiritual, mas também nas coisas mais comuns da vida. Há um trabalho a ser feito e só os mais fortes e amorosos conseguem vencer as barreiras humanas e astrais que são levantadas contra o esclarecimento espiritual. Que cada espiritualista conscientize-se de que:
* O pensamento é força a ser educada;
* O sentimento é o ouro da consciência;
* A energia sadia é fruto do autodomínio sobre si mesmo.
Que Jesus nos abençoe e nos conduza ao Porto Maior, onde os enviados do Alto nos aguardam com flores de luz pura. Psicografado por Chico Xavier, pelo espírito de André Luiz e Ramatís..

OS ANIMAIS ...



O CÃO E O HOMEM

O cão possui faculdades apreciáveis, sentimentos afetivos, nobres, predominando o da fidelidade que, infelizmente, é o menos desenvolvido nos seres humanos primitivos ou pouco evoluídos. Ser fiel ao nosso próximo, é possuir uma das mais excelsas virtudes, a que faltou até em alguns dos discípulos do Mestre dos mestres - Jesus! Ter lealdade é ser amigo dedicado a outro ente, incapaz de o ludibriar; é ser infenso à traição - um dos mais condenáveis delitos morais.

Jamais um cão trai o seu senhor; antes, é capaz de se arrojar sobre um malfeitor e imolar a vida para defendê-lo! No entanto, o homem, o racional consciente, muitas vezes é infiel à consorte, aos amigos, aos próprios irmãos e pais que lhe insuflaram a vida, educaram e alimentaram, que por ele se sacrificaram com heroicidade ignorada e inexcedível. Revela-nos o cão notáveis virtudes: lealdade, submissão, denodo na defesa do amo, abnegação no cumprimento de seus humildes misteres, no sacrifício da vida em prol da do que o criou e alimentou. Não patenteia servilismo, e sim reconhecimento e fidelidade que não se podem confundir com aquele: um é treva, outro luz. Na maioria dos cães existem faculdades anímicas dignas de reparo, sobressaindo a da vidência e a da percepção sensitiva. O cão enxerga nas trevas, nos abismos da Terra e das almas, e, quase sempre, em vez de fixar a vista para devassar o ser humano, utiliza o olfato, que pressente as irradiações de quem se lhe aproxima, percebendo se são maléficas ou benéficas, as de um amigo ou adversário, pois, para ele, há como que o suave aroma de uma rosa ou a exalação nauseante do perverso que concebe espantosos delitos!

O olfato para ele é, assim, uma segunda visão, uma percepção psíquica de grande potência, um verdadeiro portento com o qual foi dotado pela Natureza. A sagacidade do cão é às vezes superior à do homem. Eis a triste conclusão a que chegamos: ultrapassa a dos mais famosos dos investigadores racionais. Essa emanação psíquica, pressentida pelo cão, constitui a chamada intuição que atua também à distância, nos vegetais e em todos os seres, afetando-os, causando-lhes, em numerosos casos, o aniquilamento da vida orgânica, fenômeno esse constatado há muitos séculos, pelos romanos, que lhe deram o nome de jetatura.* (Espírito de Victor Hugo - Médium: Zilda Gama - Obra: Almas Crucificadas).
Nota do compilador:(*) = Jetatura = mau-olhado, azar, má sorte. Bruxaria

JAMAIS UM CÃO TRAI O SEU SENHOR; ANTES, É CAPAZ DE SE ARROJAR SOBRE UM MALFEITOR E IMOLAR A VIDA PARA DEFENDÊ-LO!

VISÃO DOS ANIMAIS

O cão e o cavalo vêem ou sentem os Espíritos. Nunca testemunhastes a repugnância que manifestam, por vezes, esses animais, de passar por um lugar onde ignoravam tivesse sido enterrado um corpo humano? Certamente direis que seus sentidos podem ser despertados pelo odor particular dos corpos em putrefação. Então por que passam indiferentes ao lado do cadáver enterrado de um outro animal? Porque se diz que o cão sente a morte? Jamais ouvistes cães uivando sob a janela de uma pessoa agonizante, quando esta lhe era desconhecida? Não vedes, também, fora da superexcitação da raiva, diversos animais se recusarem a obedecer à voz do dono, recuar com medo, ante um obstáculo invisível, que parece lhes barrar a passagem? e se encolerizarem? e depois passarem tranqüilamente pelo mesmo lugar que lhes inspirava tão grande terror, como se o obstáculo tivesse desaparecido? Têm-se visto animais salvarem seus donos de um perigo iminente, recusando percorrer o caminho onde estes teriam podido sucumbir. Os fatos de visões nos animais se encontram na antigüidade e na idade média, assim como em nossos dias.

Assim, sem dúvida os animais vêem os Espíritos. Aliás, dizer que eles têm imaginação não é lhes conceder um ponto de semelhança com o espírito humano? e o instinto não é neles a inteligência rudimentar, apropriada às suas necessidades, antes que tenha passado pelos cadinhos modificadores, que a devem transformar e lhe dar novas faculdades? O homem também tem instintos, que o fazem agir de maneira inconsciente, no interesse de sua conservação. Mas, à medida que nele se desenvolvem a inteligência e o livre-arbítrio, o instinto se enfraquece, para dar lugar à razão, porque o guia cego lhe é menos necessário.

O instinto, que tem toda a sua força no animal, perpetuando-se no homem, onde se perde pouco a pouco, certamente é um traço de união entre as duas espécies. A sutileza dos sentidos no animal, como no selvagem e no homem primitivo, substituindo nuns e noutros a ausência ou insuficiência do senso moral, é outro ponto de contato. Enfim, a visão espiritual que, muito evidentemente, lhes é comum, posto que em graus diversos, também vem diminuir a distância que parecia erguer uma barreira intransponível. Contudo, nada concluais de modo absoluto: observai atentamente os fatos, porque somente dessa observação um dia vos surgirá a verdade. (Espírito de Moki - R. E. 1865)

Obs.: Este conselho é muito sábio, pois, evidentemente, apenas nos fatos é que se pode assentar uma teoria sólida; fora disto só haverá opiniões e sistemas. Os fatos são argumentos sem réplica, cujas conseqüências, mais cedo ou mais tarde, quando constatados, terão que ser aceitas. Foi este princípio que serviu de base à Doutrina Espírita, o que nos leva a dizer que ela é uma ciência de observação - Allan Kardec).

OS ANIMAIS SÃO NOSSOS IRMÃOS

O planeta Terra, tal como hoje o conhecemos, é indiscutivelmente diferente daquele que nos seus primórdios era apenas uma massa de gases em alta temperatura, provavelmente ejetada do Sol.

Então, a vida ainda não existia aqui.

Deus, na Sua onisciência, estava criando mais uma escola.

Milhões de anos somando-se a outros milhões, chegando aos bilhões, eis que os Espíritos responsáveis pela evolução do novo mundo, magnetizando o protoplasma, fizeram surgir células e bactérias, dando-lhes vida própria, iniciando o ciclo da Vida, nos primeiros seres vivos planetários - os unicelulares.

Já eram individualizados, mas não se reproduziam sem custosos movimentos, uns buscando os outros. Dotados do instinto da preservação das espécies, eis que, da junção dos semelhantes, surgiram algas e cogumelos.

E com as algas, surgiu o sexo na face do planeta!

Num espaço colossal do Tempo, das algas aos grãos, dos grãos às flores, chegamos ao reino vegetal, como hoje ainda o conhecemos.

Não de um salto, mas em cadeia sucessiva, harmônica e permanente de transformações.

Assim também aconteceu com os animais irracionais: partindo do protoplasma originou-se o reino animal. Do longínquo e humilde protozoário aos mamíferos, toda uma extensa escala foi percorrida e incontáveis degraus da escada evolutiva foram galgados.

Quando falamos dos mamíferos, que são a ordem mais elevada do reino animal, não podemos negar ao nosso coração o direito de amá-los.

São nossos irmãos! Inferiores, é verdade, mas colocados no mundo com duplo objetivo: ajudar o progresso do homem e evoluir.

Se não existissem elefantes, camelos e principalmente cavalos, provavelmente a Humanidade ainda estaria no paleolítico, que se perpetuaria.

A força animal, muito maior que a humana, largamente utilizada na agricultura e nas construções de toda espécie, em todos os lugares e desde todos os tempos, removendo obstáculos, conduzindo pedras enormes, árvores, arados e fardos, possibilitou ao homem sair da caverna e hoje utilizar seu computador; ou, ver sua televisão, receber amigos e saborear deliciosas e finas iguarias, tudo isso a muitos e muitos metros do chão, em luxuosos apartamentos de cobertura...

Da canoa aos transatlânticos, do carro de boi ao avião supersônico, das peles curtidas aos confortáveis tecidos, tudo, tudo, se deve ao esforço humilde, subserviente, desinteressado e inigualável dos animais!

Se na agricultura, transportes e construções foram substituídos por possantes tratores e por fantásticos veículos pesados, não se poderá jamais olvidar a colaboração dos animais: ademais, indeclinável citar que, para viver, não necessitam dos homens, pois que a Mãe Natureza lhes é gentil e pródiga.

Gentil, ao fornecer-lhes alimento suficiente, jamais faltando.

Pródiga, ao equipá-los com o instinto, avalista de sua sobrevivência e da continuidade das espécies.

Meus irmãos:

O homem, convivendo com os animais, tem uma colossal influência sobre seu comportamento. Ao prodigalizar-lhes respeito, amparo e amor, desanuvia nos seus cérebros selvagens as tendências inatas de sobrevivência, regidas pela “lei das selvas”, segundo a qual vence sempre o mais forte.

Geração após geração os animais que convivem com o homem vêm se transformando, em lenta porém inexorável evolução, já não sendo raro vermos feras receber afagos humanos e retribuí-los.

Todos os animais, por natureza, são selvagens.

Talvez, o maior auxiliar do homem, dentre todos, tenha sido o primeiro a ser domesticado: o cavalo. Com ele, desbravaram-se regiões desconhecidas, vencendo distâncias.

Após o cavalo, na escala de ajuda aos homens, temos o generoso casal boi/vaca, com funções distintas, que na vida e na morte só faz atender ao homem. Se o cavalo vai perdendo espaço, os bovinos aumentam sua utilidade, sendo hoje indispensáveis à sobrevivência alimentar humana. Até quando? Só Deus sabe...

A seguir, temos os elefantes: tão grandes quanto sensíveis, prestaram-se em demorados séculos a transportar pesadas cargas (toras e pedras). Ainda hoje há regiões no planeta que sem eles sucumbiriam.

Os caprinos: mansos e acomodados, forneceram abrigo contra o frio, além de alimento com seu leite e sua carne.

Trazidos para o lar e tratados como elementos da família, estão os cães e os gatos. A moderna Psicologia recomenda tê-los em casa, pois são fonte inesgotável de carinho e aplanadores de tensões da vida moderna.

Falemos, antes, dos pássaros engaiolados: é crueldade privar seres que poderiam transitar pela vastidão dos céus, reduzindo sua locomoção a poucos centímetros de espaço cercado de arames...

Irmãos: libertai os pássaros!

Quanto aos cães, passaram a trocar amizade com seus donos quando também encontraram reciprocidade: recebendo proteção, alimento e carinho nos lares, retribuem com amizade desinteressada e constituem-se em sentinelas permanentemente atentas; garantem a segurança da família e do patrimônio. Não são poucos os registros de atos de incomparável heroísmo e desprendimento de cães a homens.

Quanto aos gatos, ah! os gatos! Observados pelos egípcios, milênios atrás, foram trazidos para dentro dos ambientes domésticos, por serem inimigos naturais dos ratos. Mas, seria só isso que os mantêm até hoje nos lares? Certamente que não. Sua natural independência irrita algumas pessoas, porém assim foram criados por Deus que os dotou de predicados invejáveis: agilidade, provável percepção astral e delicadíssimos contornos, que os tornam tão graciosos. Dentro de casa, são sentinela muito mais competente que os cães, pois que pressentem movimentos externos, absolutamente inaudíveis ou perceptíveis àqueles. Descendendo da linhagem dos felinos, trazem, na verdade, traços de agressividade e selvageria. Mas, quem lhes trata e dedica carinho, recebe deles demonstrações inequívocas de gratidão e amizade.

Companheiros em Jesus:

Outros animais, entre monos, felinos e ursos, aceitam o convívio com o homem, na pessoa de domadores e tratadores, sem agredi-los, no triste cativeiro dos circos ou nos não menos tristes zoológicos.

Nos animais predomina o instinto e existem lampejos de inteligência; por esses lampejos é que absorvem a influência dos seus donos ou dos seus tratadores, passando a carrear, na própria estrutura psíquica, além de condicionamentos, possibilidades de atos mais ou menos inteligentes.

Vemos assim que o homem tem plenas condições de atenuar o instinto selvagem do animal, apaziguando-o com proteção, respeito e carinho. Assim procedendo, colabora com a evolução das espécies, o que faz parte primordial da Vida e dos planos de Deus.

No mundo espiritual, após a morte física, as almas dos animais se juntam, por simbiose - por similaridade física e psíquica.

Espíritos da Natureza, especialmente designados pelos Planos Superiores, cuidam dessas almas, providenciando seu retorno à vida terrena, ou então, separando os que mais se destacam, por nobreza de ações. Esses últimos, quais criancinhas matriculadas em escolas maternais, recebem de destacados especialistas celestes, os primeiros raios de raciocínio. Daí, não será demais afirmarmos que à frente, nas esquinas do tempo, esses rudimentares alunos, ao reencarnar, estarão com as primitivas formas orgânicas humanas...

Porque, embora seja superior à nossa capacidade em palmilhar os desígnios divinos, não nos padece dúvida, conquanto intuitivamente, que os homens de hoje, foram exatamente os animais de ontem...

Indo além em nossas humildes elocubrações, pedindo perdão ao Criador pela nossa talvez descabida porém sincera ousadia em tentar decifrar tão elevados mistérios, podemos imaginar que considerando a multiplicidade de mundos no Universos, nessa primeira etapa hominal serão alocados em um deles, consentâneo com seu nível evolutivo.

E mais perdão ainda precisamos, pois não podemos ocultar que pensamos ter o nosso planeta superado essa fase - a idade da pedra -, tendo já evoluído, ele próprio, como aliás, tudo o mais no Universo, que é obra de Deus!

Que a humildade de Jesus seja para nós supremo ideal a ser conquistado e que as luzes do Mestre desde já iluminem um pouco mais nossos Espíritos.”

(Espírito de Van Der Goehen - Médium: Eurípedes Kühl. - O Quartel e o Templo)

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

domingo, 18 de agosto de 2013

Dor e coragem



Na Terra todos temos inimigos.
Todos, sem exceção.
Até Jesus os teve.
Mas isso não é importante.
Importante é não ser inimigo de ninguém, tendo dentro da alma a dúlcida presença do incomparável Rabi, compreendendo que o nosso sentido psicológico é o de amar indefinidamente.
Estamos no processo da reencarnação para sublimar os sentimentos.
Por necessidade da própria vida, a dor faz parte da jornada que nos levará ao triunfo.
É inevitável que experimentemos lágrimas e aflições.
Mas elas constituem refrigério para os momentos de desafio.
Filhos da alma, filhos do coração!
O Mestre Divino necessita de nós na razão direta em que necessitamos dEle.
Não permitamos que se nos aloje no sentimento a presença famigerada da vingança ou dos seus áulicos: o ressentimento, o desejo de desforçar-se, as heranças macabras do egoísmo, da presunção, do narcisismo.
Todos somos frágeis.
Todos atravessamos os picos da glória mas, também, os abismos da dor.
Mantenhamo-nos vinculados a Jesus.
Ele disse que o Seu fardo é leve, o Seu jugo é suave.
Como nos julga Jesus?
Julga-nos através da misericórdia e da compaixão.
... E o Seu fardo é o esforço que devemos empreender para encontrar a plenitude.
Ide de retorno a vossos lares e levai no recôndito dos vossos corações a palavra libertadora do amor.
Nunca revidar mal por mal.
A qualquer ofensa, o perdão.
A qualquer desafio, a dedicação fraternal.
O Mestre espera que contribuamos em favor do mundo melhor, com um sorriso gentil, uma palavra amiga, um aperto de mão.
Há tanta dor no mundo, tanta balbúrdia para esconder a dor, tanta violência gerando a dor, que é resultado das dores íntimas.
Eis que Eu vos mando como ovelhas mansas ao meio de lobos rapaces, disse Jesus.
Mas virá um dia, completamos nós outros, que a ovelha e o lobo beberão a mesma água do córrego, juntos, sem agressividade.
Nos dias em que o amor enflorescer no coração da Humanidade, então, não haverá abismo, nem sofrimento, nem ignorância, porque a paz que vem do conhecimento da Verdade tomará conta de nossas vidas e a plenitude nos estabelecerá o Reino dos Céus.
Que o Senhor vos abençoe, filhas e filhos do coração, são os votos do servidor humílimo e paternal, em nome dos Espíritos-espíritas que aqui estão participando deste encontro de fraternidade.
Muita paz, meus filhos, são os votos do velho amigo,
Bezerra.