terça-feira, 29 de março de 2016

BRASIL HOJE...



Em poucas palavras, a verdade é a seguinte:
O Brasil está sem governo.
Do que jeito que está não pode ficar.
O país agoniza.
Não é questão de partido político, nem de ideologia.
Está faltando patriotismo.
E mais do que patriotismo, amor ao próximo ou, se preferirem, humanidade mesmo.
Uma geração inteira está sendo comprometida.
Desemprego crescendo.
Saúde a zero.
Educação aos cacos.
Desencanto nas almas.
Falta de otimismo em relação ao futuro.
A Pátria do Evangelho cada vez mais distante.
Um sonho que, infelizmente, está nos escapando.
Corrupção em quase todos os setores da vida comunitária.
A religião em falência.
Pastores vendilhões.
Mesmo os espíritas, com sua vaidade e personalismo, deixando muito a desejar.
Falta de credibilidade interna e externa.
Instituições falidas.
Apego exacerbado ao poder.
Disputa pelo ter, e não pelo ser.
Descalabros administrativos sem precedentes.
Pior do que a “derrama” nos tempos da Inconfidência.
Estradas em ruína.
Cidades abandonadas.
Discursos mentirosos.
Reivindicações ignoradas.
Falsos intelectuais defendendo o establishment.
Decepções com promissoras lideranças.
Esquerda prostituída.
Falta de luz no fim do túnel.
Com urgência, procura-se um homem.
Ou uma mulher.
Enfim, um estadista, de calças ou de saias.
Não obstante, a maioridade do Brasil está às portas.
É agora ou tarde demais.
Por que os mortos se intrometem nisto?! Porque os vivos, por si sós, não estão dando conta do recado.
O assunto preocupa as Altas Esferas.
Se o Cristo não se preocupasse com a Humanidade, Ele não teria vindo a Terra, e passado pelo que passou.
Então, calem-se os argumentos tolos.
O brasileiro precisa aprender a escolher melhor os seus governantes.
Alfabetizar-se politicamente.
Não trocar voto por favores pessoais.
A situação é grave.
A renúncia num simples conflito, por vezes, evita muito derramamento de sangue.
Que o Cristo nos livre de embates violentos.
Ainda resta um fio de esperança na paz.
Os próximos dias, que precisam ser rápidos, serão decisivos.
Porque, de fato, como disse Chico Xavier, “o Brasil será a grandeza ou a decadência que os homens públicos dele vierem a fazer.”

INÁCIO FERREIRA

Uberaba – MG, 28 de março de 2016.

sexta-feira, 18 de março de 2016

....sem saber como orar

A FILHA DE UM HOMEM PEDIU A UM SACERDOTE QUE FOSSE A SUA CASA REZAR UMA ORAÇÃO PARA O SEU PAI, QUE ESTAVA MUITO DOENTE.

Quando o Sacerdote chegou à residência, encontrou este pobre homem na sua cama com a cabeça levantada por um par de almofadas. Havia uma cadeira ao lado da cama, pelo que o sacerdote pensou que o homem sabia que viria vê-lo.
- Suponho que estava à minha espera? – disse-lhe.
- Não. Quem é o senhor? – perguntou o homem enfermo.
- Sou o Sacerdote que a sua filha chamou para que rezasse com o senhor.
Quando entrei e reparei na cadeira vazia ao lado da sua cama, supus que o senhor sabia que eu viria visitá-lo.
- Ah sim, a Cadeira.
Importa-se de fechar a porta? – perguntou o homem doente.
O Sacerdote, surpreendido, fechou a porta.
O homem enfermo disse-lhe:
- Nunca disse isto a ninguém, mas passei toda a minha vida sem saber como orar. Quando estava na Igreja, escutava sempre, a propósito da oração, como se deve orar e os benefícios que traz…
…mas sempre…isto das orações…não sei…! Entra-me por um ouvido e sai-me pelo outro.
De qualquer forma, não faço ideia de como a fazer. Então…Faz muito tempo que abandonei por completo a oração.
Isto foi assim até há uns quatro anos, quando, conversando com o meu melhor amigo, ele me disse:
"José, isto da oração é simplesmente ter uma conversa com Jesus; sugiro-te, pois, que faças assim…Sentas-te numa cadeira e colocas outra cadeira vazia em frente da tua; depois, com fé, olhas para Jesus sentado diante de ti. Não é algo aloucado fazê-lo, pois ele disse-nos: “Eu estarei sempre convosco”.
Portanto, falas-Lhe e escuta-Lo, da mesma maneira como estás agora a fazer comigo."
- Foi assim que fiz uma vez e agradou-me, pelo que continuei a fazê-lo umas duas horas diárias desde então.
Tenho sempre muito cuidado, não vá a minha filha ver-me…Pois internar-me-ia imediatamente num manicômio.
O sacerdote sentiu uma grande emoção ao escutar isto e disse a José que era algo muito bom o que estava a fazer, e que nunca deixasse de o fazer.
Rezou imediatamente uma oração com ele. Deu-lhe a bênção e foi para a sua paróquia.
Dois dias depois, a filha de José chamou o sacerdote para lhe dizer que o seu pai tinha falecido.
O sacerdote perguntou-lhe:
- Faleceu em paz?
- Sim, quando saí de casa, por volta das duas da tarde, chamou-me e fui vê-lo na sua cama. Disse que me queria muito e deu-me um beijo.
Quando regressei de fazer umas compras, uma hora mais tarde, já o encontrei morto.
Mas há algo de estranho na sua morte, pois, aparentemente, justamente antes de morrer, aproximou-se da cadeira que estava ao lado da sua cama e reclinou a cabeça sobre ela; foi assim que o encontrei.
Que pensa o senhor que isto possa significar?
O sacerdote, profundamente comovido, enxugou as lágrimas da emoção e respondeu-lhe:
- Oxalá que todos nós pudéssemos ir dessa maneira.

sexta-feira, 6 de março de 2015

Oração para se Livrar do Medo...


Senhor Jesus, no poder do Teu Nome poderosíssimo,
ponho um fim agora, a todas as formas de medo
em minha árvore genealógica.
Tomo autoridade sobre todo medo de rejeição e de fracasso.

Senhor Jesus, na autoridade do Teu Nome,
digo não a todo medo de água, altura, buracos,
sucesso, fracasso, homens, mulheres, multidões,
ficar sozinho, de Deus, da morte, de deixar a casa,
de espaços fechados ou abertos, falar em público,
falar em voz alta, falar a verdade, de voar,
a todo medo do sofrimento e da alegria
(citar o seu medo específico).

Senhor, que minha família conheça,
em todas as gerações, que não há medo no amor.
Que Vosso perfeito amor encha de tal modo a história
de minha família, que toda lembrança de medo deixe de existir.
Eu Vos louvo e agradeço na certeza de ser atendido.
Amém !

sábado, 21 de fevereiro de 2015

...Tábua de Esmeraldas...

 O ensinamento de Hermes que mais me fascina é o
quinto princípio da Tábua de Esmeraldas, que diz:

“O princípio do Ritmo: tudo flui, fora e dentro.
Tudo tem suas subidas e descidas, assim é a vida. 
O ritmo compensa e mantém o equilíbrio. O sábio
deve saber comandar os ciclos vitais seguindo o
seu fluxo, nunca violentando-os!  Ele sabe que
tudo possui sua época e que a balança oscila de
acordo com o peso específico de cada ação. 
O sábio deve ser puro equilíbrio!”

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Caminho da Autoiluminação

O homem atinge um alto nível de evolução quando consegue unir o sentimento e o conhecimento, utilizando-os com sabedoria. Nesse estágio é-lhe mais fácil desenvolver a paranormalidade, realizando o autodescobrimento e canalizando as energias anímicas e mediúnicas para o serviço de consolidação do bem em si mesmo e na sociedade.
O seu amadurecimento psicológico permite-lhe compreender toda a magnitude das faculdades parapsíquicas, superando os impedimentos que habitualmente se lhe antepões à educação.
Desse modo, a mediunidade põe-no em contato com o mundo espiritual de onde procede a vida e para a qual retorna, quando cessado o seu ciclo material, ensejando-lhe penetrar realidades que se demoram ignoradas, incursionando com destreza além das vibrações densas do corpo carnal.
O exercício das faculdades mediúnicas, no entanto, se reveste de critérios e cuidados, que somente quando levados em conta propiciam os resultados pelos quais se anelam.
A mediunidade é inerente a todos os indivíduos em graus de diferente intensidade. Como as demais, é uma faculdade amoral, manifestando-se em bons e maus, nobres e delinqüentes, pobres e ricos.
Pode expressar-se com alta potencialidade de recursos em pessoas inescrupulosas, e quase passar despercebida em outras, portadoras de elevadas virtudes.
Surge em criaturas ignorantes, enquanto não é registrada nas dotadas de cultura. É patrimônio da vida para crescimento do ser no rumo da sua destinação espiritual. O uso que se lhe dê, responderá por acontecimentos correspondentes no futuro do seu possuidor.
Uma correta educação da mediunidade tem início no estudo das suas potencialidades: causas, aplicações e objetivos. Adquirida a consciência mediúnica, o exercício sistemático, sem pressa, contribui para o equilíbrio das suas manifestações.
Uma conduta saudável calcada nos princípios evangélicos atrai os Bons Espíritos, que passam a cooperar em favor do medianeiro e da tarefa que ele abraça, objetivando os melhores resultados possíveis do empreendimento.
O direcionamento das forças mediúnicas para fins elevados propicia qualificação superior, resultando em investimento de sabor eterno.
Se te sentes portador de mediunidade, encara-a com sincero equilíbrio e dispõe-te a aplicá-la bem.
O homem ditoso do futuro será um indivíduo PSI, um sensível e consciente instrumento dos Espíritos, ele próprio lúcido e responsável pelos acontecimentos da sua existência.
Desveste-te de quaisquer fantasias em torno dos fenômenos de que és objeto e encara-os com realismo, dispondo-te a sua plena utilização.
Amadurece reflexões em torno deles e resguarda-os das frivolidades, exibicionismos vãos, comercialização vil, recurso para a exaltação da personalidade ou das paixões inferiores.
Sê paciente com os resultados e perseverante nas realizações. Toda sementeira responde à medida que o tempo passa.
A educação da mediunidade requer tempo, experiência, ductibilidade do indivíduo, como sucede com as demais faculdades e tendências culturais, artísticas e mentais que exornam o homem.
Quem seja portador de cultura, de bondade e sinta a presença dos fenômenos paranormais, está a um passo da realização integral, a caminho próximo da auto-iluminação.
Autor
Joanna de Ângelis